12 de setembro de 2019

Os destaques da campanha gremista no Brasileirão de Aspirantes

Compartilhe nas redes sociais

Com uma das categorias de base mais prolíferas do futebol brasileiro, o Grêmio é, hoje, um exemplo de utilização do Campeonato Brasileiro de Aspirantes. Tendo um plantel sub-23 mesmo antes da criação do campeonato, o Tricolor Gaúcho está muito a frente da maioria dos clubes brasileiros no que tange a transição dos jogadores formados na base ao profissional, como também podemos facilmente dizer que a transição base-profissional (ou base-transição-profissional) é uma das mais competentes do Brasil. Portanto, sua presença na final do campeonato, contra o Inter, não é nada surpreendente.

Ferreira, o artilheiro do time. (FOTO: Rodrigo Fatturi/Grêmio FBPA)
Assim como as categorias inferiores, o time de transição também aponta para a reprodução do modelo de jogo do grupo principal, a fim de já adaptar os jogadores ao estilo de jogo e às funções do profissional. Existem variações de nível de execução, algumas mudanças de acordo com características dos jogadores disponíveis, mas a grosso modo, a forma de jogar do Grêmio é facilmente detectável. É um time que gosta de jogar futebol, valoriza a posse e o jogo associativo com passes curtos, demonstra um futebol ofensivo e extremamente coletivo. O que o Grupo de Transição (e o departamento de formação em geral) tenta reproduzir. 

O CULTO DOS VOLANTES CRIATIVOS 

No que tange às características dos jogadores, também há a preferência por algumas em detrimento de outras. Existe praticamente uma cultura dos volantes gremistas nos últimos anos, tudo baseado em Maicon e sua forma de jogar. O modelo de jogo gremista exige meio-campistas com capacidade de criação, bom passe, qualidade técnica e intensidade. Se formos analisar os volantes mais utilizados no plantel da Transição, todos os meio-campistas se encaixam nesse ''filtro''. Claro que são jogadores diferentes, alguns com mais facilidade para criar chances de gol, outros com melhor capacidade de distribuição e etc. Mas o grande requisito para a posição é saber jogar futebol. 

ZAGUEIROS DE CABEÇA ERGUIDA

É cada vez mais imprescindível no futebol moderno os zagueiros conseguirem fazer uma boa saída de bola. Seja em situações de puxar a marcação adiantada adversária e conseguir dar prosseguimento às jogadas ou mesmo para entregar a bola em boas condições para os volantes e laterais. Times que trabalham muito com a bola, caso do Grêmio, precisam, por óbvio, de zagueiros capazes de dar passes longos ou curtos com boa eficiência. Pedro Geromel é a maior das inspirações nesse caso. Além de um zagueiro dominante, é um jogador com muitos recursos técnicos para ajudar o time a construir jogadas. Em menor escala, Kannemann também consegue se virar pelo lado esquerdo. Hoje é mais do que comum ver zagueiros da base gremista saindo jogando por baixo. Erros acontecem, ainda mais com jogadores tão jovens, mas são essenciais para o crescimento desses atletas e o incentivo e o encorajamento desde cedo são vitais para se tornarem jogadores mais completos no futuro. Ruan e Emanuel, os titulares mais recorrentes, são exemplos disso. São dois zagueiros que buscam ao máximo evitar o balão sem critério e possuem uma bola saída de bola curta, já que ambos foram (e estão sendo) moldados para esse tipo de situação. 

O MESMO ESQUEMA - 4-2-3-1 

As bases táticas do Grêmio Sub-23 são bem semelhantes às do elenco principal, por óbvio. Busca por jogo associativo, volantes criativos, bastante uso do pivô e a mesma plataforma tática, o 4-2-3-1. Zagueiros com bom passe curto (embora lhes falte capacidade de marcação), laterais equilibrados, volantes gerindo a circulação da bola e aparecendo na frente, meias se movimentando e um centroavante como referência para o uso do pivô, que se tornou cada vez mais ativo no plantel principal desde a contratação de Lucas Barrios, passando por Jael e, agora, com André. 

(FOTO: RODRIGO FATTURI/GREMIO FBPA)
Algumas movimentações também se assemelham bastante, como a busca pelo centro de Jhonata Robert, o ponta-direita, bem parecido com o movimento de Alisson no profissional. Robert é um '10' jogando de ponta, um jogador mais criativo e menos incisivo que Ferreira, o ponta-esquerda, que desenvolveu muito sua capacidade de finalização e possivelmente acabará o Brasileirão de Aspirantes como artilheiro. Mais um ponta-esquerda de pé invertido, ou seja, busca o corte pra dentro pra finalização com a perna boa. Mesmo caso de Cebolinha e Pepê.

POSIÇÃO POR POSIÇÃO

Um resumo com minha opinião pessoal e algumas informações básicas sobre os jogadores mais utilizados, posição por posição. Em aspas a idade do jogador. E o time-base, até o primeiro jogo da semifinal, é: Brenno (Phelipe); Felipe, Ruan, Emanuel, Jefferson; Jhonata Varela, Matheus Frizzo; Jhonata Robert, Isaque, Ferreira; Joanderson.

GOLEIROS: O Grêmio tem feito um rodízio na posição. Quem mais atuou foi Brenno (20), que conta com 7 jogos e 6 gols sofridos. É um goleiro seguro e bem alto (1,88cm), já fez dois jogos com o elenco principal na temporada. O segundo com mais atuações é Phelipe Megiolaro (20), pessoalmente acho o mais talentoso goleiro que formamos desde a dupla Cássio e Marcelo Grohe. Phelipe fez 5 jogos e sofreu 4 gols. É um goleiro muito ágil, com grande reflexo e tem o diferencial do jogo com os pés. Tem menor envergadura do que o Brenno, mas compensa com agilidade. Por último, Vinicius Machado (19), o mais jovem dos três, tem a melhor média de gols sofridos, com um só tento concedido em 4 jogos. Na hierarquia, é o terceiro goleiro e depende do sucesso de Brenno e Phelipe no profissional pra receber uma sequência mais longa em 2020. 

LATERAIS DIREITOS: A lateral direita é atualmente de Felipe Albuquerque (19), um dos jogadores mais regulares e equilibrados desse elenco. Bom defensor, boa participação na criação e nas investidas ao espaço quando surge. Não é um especialista em nada, mas possui boa competência na maior parte das suas ações em campo. É um dos nomes a se observar para a próxima temporada caso siga evoluindo. O outro nome da posição é Ericson (20), lateral mais defensivo, que também pode atuar como zagueiro. 

ZAGUEIROS: Ruan Tressoldi (20) é o titular pela direita, enquanto Emanuel (19) figura pela esquerda. Como dito no início do texto, não há mais espaço para zagueiros sem boa saída de bola no Grêmio. O modelo de jogo requer e a base precisa fomentar esse aspecto desde cedo, então é quase um requisito para estar aqui. Ruan, além da boa saída de bola, é fisicamente muito potente, com seus 1,87m e uma boa velocidade. Ainda peca na marcação, nas divididas e no posicionamento. Sua bola aérea ofensiva é outra grande qualidade. Os outros zagueiros do elenco são Denilson (24) e Matias Antonini (21).

LATERAIS ESQUERDOS: Com o empréstimo de Guilherme Guedes para a Ponte Preta, Jefferson Vinicius (19) assumiu a titularidade e tem demonstrado boas características. O potiguar chegou como zagueiro para o elenco júnior, mas conseguiu se consolidar como lateral esquerdo e assumir a posição. É um jogador com boa capacidade defensiva e vem tendo boas atuações ofensivas também. Jogador, assim como Felipe, bastante equilibrado. Diferentemente de Kazu (19), que é um lateral muito mais ofensivo que defensivo e que tem sofrido com problemas físicos nessa temporada. Um dos melhores jogadores do Grêmio na Copa São Paulo no início do ano. 

O capitão Matheus Frizzo em ação contra o Vitória em Salvador (FOTO: LETÍCIA MARTINS/ECV)
VOLANTES: Capitão e uma das lideranças técnicas, Matheus Frizzo (21) é o jogador gremista com mais minutos em campo na campanha do Brasileirão de Aspirantes. Chegou do São Paulo como meia armador e foi convertido a segundo volante, função onde conseguiu dar um salto imenso de rendimento. Sua capacidade de passe, de criação e liderança o credenciam como um dos melhores e mais regulares jogadores dessa equipe. Jhonata Varela (19), outro jogador trazido do ABC-RN, é geralmente o parceiro de Frizzo na dupla de volantes. Também destaque na Copa SP, Varela é o volante mais posicionado da equipe. Jogador de bom passe curto, boa marcação e intensidade, além de versatilidade, podendo atuar de lateral também. Além da dupla titular, ainda temos os promissores Lucas Araújo (20) e Victor Bobsin (19). Dois jogadores de bom passe e qualidade técnica, mas ainda crus em nível de competitividade. Bobsin é selecionável, há muito hype em cima dele desde o Sul-Americano Sub-17 de 2017, mas pouco evoluiu desde lá por problemas físicos. 

Léo Chú, o flecha negra. (FOTO: RODRIGO FATTURI/GREMIO FBPA)
PONTAS: Um dos mais talentosos da equipe, Jhonata Robert (19) é um dos estandartes da bela campanha gremista. O habilidoso meia tomou conta da ponta direita com muita qualidade no drible, na finalização e com inteligência pra se mexer e dar opção de passe. É o famoso jogador ENSABOADO, muito difícil de marcar. Pelo talento e desempenho que vem demonstrando, deve ganhar alguns minutos no profissional em 2020. Seu reserva é Guilherme Dantas (21), ex-Juventus da Mooca, cujas características são parecidas. Com pouco tempo em campo, conseguiu dois gols, tendo uma média de 1 gol a cada 57 minutos. Na esquerda, o titular é Aldemir Ferreira (21), também conhecido com o codinome de FERREIRINHA. Ótimo driblador, ele evoluiu muito, mas muito na finalização nos últimos mses, se tornou o jogador mais confiante do elenco e não para de marcar gols (é o artilheiro do certame com 11 gols). Tem velocidade, drible curto e consciência tática, muito importante para os pontas nesse modelo de jogo. Pelo nível de desempenho, talvez já o vejamos em campo pelo profissional nessa temporada. É um cara que vai pra dentro em todas. E consegue ganhar vantagem muitas vezes. Nível de confiança abismal. A posição ainda tem o porto-alegrense Léo Chú (19), um dos meus jogadores favoritos desse elenco. É um ponta muito rápido e com bom drible, mas também é muito criativo. Não está no ponto de desenvolvimento do Ferreira, mas tem imenso potencial. Mateusinho (20) é o quinto elemento da posição. Chegou do Guarani no início do ano, mas ainda não teve tanto espaço para demonstrar seu futebol. 

MEIAS E ATACANTES: Isaque (22) é o meia central da equipe. Versátil e inteligente, é um jogador que se movimenta bastante para botar os pontas e o centroavante no jogo. Já tem alguns jogos de Gauchão na conta e foi titular em todos os jogos do time no campeonato. Também é um jogador que faz várias coisas e não é especialista em nenhuma, mas é, no geral, bom jogador. Renovou seu contrato até o fim de 2022 nessa semana. Titularíssimo desse time. Por último, chegamos aos 9's. Da Silva (20), hoje no elenco principal, fez 7 jogos no Aspirantes e marcou 4 gols. É um jogador que vocês já conhecem. O outro centroavante do elenco é o Joanderson (23), que vem sendo o titular da equipe. Importante no pivô, mas muito ineficaz na maioria das ações. Tecnicamente é o ponto fraco do time, embora tenha liderança e experiência. Felipe Tontini (24) é seu reserva, mas com características muito diferentes, muito mais falso nove do que referência. Parou de desenvolver-se muito cedo e ficou pra trás. Por último, Raphael Stard (20), outro meia da geração de 1998 de Jean Pyerre e Patrick, tem boa capacidade técnica, mas fisicamente muito abaixo pra jogar de meia central no 4-2-3-1. Foi testado como segundo volante também. 

Não vou adentrar-me em jogadores com menos de uma partida jogadas ou que desceram do profissional pra jogar o segundo jogo do duelo contra o Vitória pela semifinal. Guilherme Azevedo, Darlan Mendes, Rodrigues, Patrick (jogou só o primeiro jogo do campeonato) e Da Silva são conhecidos já, além do Gui Guedes que foi para a Ponte por empréstimo e todo mundo sabe (ou deveria saber) que é top. 

(FOTO: RODRIGO FATTURI/GREMIO FBPA)
TREINADOR: Thiago Gomes (35) é ótimo. Jovem, moderno e casa perfeitamente com o objetivo do clube nesse estágio da formação do atleta. Seu Grêmio consegue, na medida do possível, reproduzir o Grêmio do Renato, assim como ele consegue chegar nas individualidades e contribuir no desenvolvimento de cada jogador. O caso principal é o Ferreira, que evoluiu absurdamente nas suas mãos. Aliás, suas entrevistas são muito claras, recomendo a pesquisa.  

Alguns jogadores se destacaram muito na campanha, caso de Ferreira, Frizzo e Jhonata Robert, outros possuem grande potencial pro futuro, caso de Victor Bobsin, Lucas Araújo e Léo Chú. A final do campeonato se aproxima e é bom ter em mente sempre que a grande vitória mesmo é conseguir entregar bons jogadores aos profissionais. E isso, ao que parece, deve ocorrer nos próximos meses ou anos. Perdendo ou ganhando, o objetivo principal da base, de modo geral, sempre será formar jogadores e cidadãos. E o Grêmio tem feito, graças a um projeto detalhado e muito bem executado, com grande sucesso. 

Por Nicolas Müller - @_nicolasmuller 

Siga-nos no Twitter em @linhaalta.


Deixe um comentário

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores. É necessário estar logado no facebook para comentar.

 

Bem-vindo ao Linha Alta. Site com conteúdo futebolístico.

© Linha Alta 2016

Edited by Douglas Menezes