4 de julho de 2017

Intenso e competitivo, River bota um pé nas quartas da Libertadores

Compartilhe nas redes sociais

O River saiu na frente do Guarani nas oitavas de final da Libertadores da América. Em jogo muito truncado e pobre tecnicamente, os argentinos venceram os paraguaios por 2x0 num Defensores del Chaco com ótimo público. Os gols da vitória foram marcados pelo estreante Scocco, em cobrança de falta que contou com desvio na barreira para entrar, e por Larrondo de cabeça, já nos minutos finais. Os vice-campeões nacionais voltam a se encontrar em agosto, no Monumental de Nuñez.
O experiente Scocco estreou com o pé direito, marcando o primeiro gol do River no jogo
O time da casa foi montado por Daniel Garnero mais uma vez no 4-4-2. A estratégia foi a mesma da primeira fase. Um time reativo na essência, marcando em bloco médio com alguns períodos de subida de linha e muita intensidade. O River de Marcelo Gallardo mais uma vez se estruturou com linha de quatro atrás e um losango por trás da dupla Scocco-Alario. O comportamento de Pitty Martinez e Fernández dizia se o desenho era o 4-3-1-2(momento defensivo) ou o 4-1-3-2(momento ofensivo). Pinola e Scocco, recém-contratados, foram as novidades
Disposição tática inicial das equipes.
Como esperado os Millionários tomaram a iniciativa do jogo. Mais uma vez oscilaram bastante na proposição das jogadas. Por vezes contavam com a aproximação de suas pecas e em outras era espaçado, não conseguindo portanto uma boa rotação de bola. De um jeito ou de outro, a equipe de Buenos Aires era novamente agressiva. Trocava passes com velocidade e acelerava sempre o jogo a qualquer lacuna aberta no sistema defensivo paraguaio. Quando perdia a bola era muito intenso na transição defensiva. Um time altamente competitivo.
Saída de bola do River sempre com Ponzio (circulado em vermelho) entre os zagueiros. Garantia de um primeiro passe de qualidade.
Desta forma dominou inteiramente os 20 primeiros minutos. Pitty Martinez, muito bem em campo, Alario e Lollo assustaram o goleiro Aguilar. O Guarani demorou a conseguir encaixar o seu jogo vertical na retomada da posse e de bola alçada na área, mas quando conseguiu levou muito perigo em duas jogadas seguidas. Primeiro com Garcia, obrigando Batalla a fazer grande defesa. E depois com Palau, aproveitando rebote de escanteio.
Flagra da linha de meio do Guarani montada e os dois atacantes mais à frente dando o primeiro combate. Time muito intenso na marcação. 
Quando o Guarani pareceu ter equilibrado as ações, o River deu o golpe fatal. O estreante Scocco bateu falta sofrida por Martinez, a bola desviou na barreira e morreu no cantinho esquerdo de Aguilar. A imensa torcida Millionária em Assunção fez o Defensores del Chaco tremer, e um problema na energia elétrica do estádio fez a partida ficar paralisada por 11 minutos.
River posicionado para se defender. Ponzio, traço azul,  mais recuado. À frente; Rojas, Martinez e Fernandez.
Ao invés de esfriar o jogo, a queda na energia teve efeito contrário. Em inferioridade no placar, o Guarani lançou-se à frente e pressionou o River na reta final do primeiro tempo. Garcia quase marcou ao ganhar de Pinola na bola aérea. Os ânimos também se exaltaram e a partida ganhou jogadas mais ríspidas, resquícios da rivalidade entre as equipes, oriunda da semifinal da Libertadores há duas temporadas.

Precisando marcar, o Guarani teve mais presença ofensiva no segundo tempo. Além da atitude, o time de Daniel Garnero contou com as entradas de Rodrigo Lopez e Gamarra logo no início da segunda etapa. A limitação técnica e a falta de repertório, porém, atrapalhavam, além da já citada intensidade do River Plate. Na primeira jogada bem trabalhada do time auri negro no jogo, Garcia perdeu grande chance diante de Batalla, que fez sensacional defesa com a perna direita.

O River a esta altura tentava tirar a velocidade do jogo e cadenciar a partida com a posse de bola, mas novamente oscilava com a pelota. Scocco saiu para a entrada de Larrondo. Na reta final do jogo os espaços foram aparecendo e os argentinos tiveram boas oportunidades de contra-ataque, principalmente com o lateral Jorge Moreira pelo lado direito. Faltou mais capricho no momento de preparação final das jogadas. Os anfitriões ainda chegaram com perigo em duas ocasiões, mais uma vez na bola aérea, mas não conseguiram converter em gol.

Se não aproveitou as chances criadas pelo alto, o Guarani viu o rival sacramentar a sua vitória nos minutos derradeiros. Larrondo aproveitou a bobeira da marcação paraguaia para dar números finais ao jogo.
Equipes já na reta final do jogo
A partida mostrou um River Plate mais uma vez muito competitivo. Por mais que falte apreço tático para aproveitar a qualidade técnica dos principais jogadores, sobra força mental e competitividade. A intensidade alcança níveis altíssimos e este cenário somado à pesada camisa Millionária pode fazer a diferença na competição. Já o Guarani não dá muitas mostras que conseguirá a virada em Buenos Aires

Por Rodrigo Coutinho - @RodrigoCout

Deixe um comentário

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores. É necessário estar logado no facebook para comentar.

 

Bem-vindo ao Linha Alta. Site com conteúdo futebolístico.

© Linha Alta 2016

Edited by Douglas Menezes