28 de maio de 2017

Botafogo sofre pra propor, abre o placar na `pressão pós-perda`e segura a vitória contra o Bahia

Compartilhe nas redes sociais

Em um triunfo bem a seu estilo, o Botafogo bateu o Bahia por 1x0 na noite deste domingo, em partida realizada no estádio Nilton Santos. Bruno Silva fez o gol alvinegro, aproveitando cochilo de Édson na saída de bola e colocando em prática um dos princípios de jogo da equipe de Jair Ventura. O Glorioso chega aos seis pontos na classificação e é o sétimo colocado. Já o Tricolor de Aço segue com três, em décimo-terceiro,
Bruno Silva, símbolo do jeito de jogar alvinegro, fez o gol da vitória. Foto: BFR

Com o efeito suspensivo conseguido pelo departamento jurídico do clube, Jair Ventura pôde escalar Bruno Silva. Carli e Roger foram poupados, e Marcelo e Joel foram os respectivos substitutos.O camaronês ganhou nova chance, desta vez na referência ofensiva. O Bahia foi escalado da mesma forma com que ganhou a Copa do Nordeste na última quarta-feira. O único desfalque foi o lateral-esquerdo Armero. Matheus Reis o substituiu. 4-2-3-1 com muitas trocas de posições entre os meias e Edigar Junio na referência móvel.
Disposição tática inicial da equipe
Atuando em casa contra uma equipe que buscou ser reativa, o Botafogo teve mais uma vez dificuldades para propor o jogo no primeiro tempo. É algo que acontece com o time desde o ano passado e precisa ser trabalhado por Jair Ventura. O Bahia não marcou ``pressão``, se posicionou em bloco médio, mas bloqueou muito bem as opções de passe a partir da linha de meio-campo e teve setores próximos, negando espaços, o que somou-se ao cenário descrito no início do parágrafo e obrigou o Glorioso a forçar muitas jogadas.
Bahia bem postado para bloquear construção ofensiva do Botafogo 

Desta forma, o Botafogo só conseguia se estabelecer no campo ofensivo quando ganhava uma ``segunda bola`` ou quando o Bahia errava algum passe em sua transição ofensiva. Poucas bolas esticadas pelo time carioca tinham endereço certo e o jogo ficou desinteressante. O Tricolor, por sua vez, saía de forma tímida, parecia não querer se expor tanto. A situação piorou depois da lesão do meia Régis, que saiu para a entrada de Juninho, jogador menos ofensivo. Lance perigoso mesmo, apenas uma cabeçada de Renê Junior aos três minutos de jogo.
Circulado em vermelho, vemos como Bruno Silva se comporta quando o Botafogo tem a bola. Sai do lado para formar uma espécie de losango na faixa central. No alto da imagem, sublinhado em amarelo, o lateral Arnaldo é o responsável pela amplitude. Time alvinegro, porém, precisa de mais repertório diante de equipes mais fechadas, tem dificuldades para propor o jogo.
Outra característica do time do Botafogo que aparece com certa frequência é a pressão pós-perda. A equipe é muito aplicada e consegue executá-la bem. E foi justamente com isso que abriu o marcador. Após bola longa e corte da defesa baiana, Édson ``dormiu no ponto`` e Bruno Silva, ligado no lance, roubou a bola na entrada da área. O próprio Bruno finalizou a jogada e marcou o seu segundo gol no campeonato.
Neste frame vemos a origem do gol. Circulado, Bruno Silva coloca em prática de forma intensa a pressão pós-perda e rouba a bola de Édson.

No segundo tempo o Bahia se soltou mais e teve duas boas chances antes dos dez minutos. Zé Rafael e Edgar Júnio provaram a ótima fase de Gatito Fernández. O Botafogo respondeu! Com mais espaços, desceu com perigo duas vezes pela direita e encaixou dois cruzamentos para finalizações perigosíssimas de Camilo e Joel. Era um jogo mais aberto e interessante. O Glorioso perdeu João Paulo lesionado e Gilson entrou em seu lugar. Bruno Silva foi deslocado para atuar como volante e Rodrigo Pimpão mudou de lado no ataque.

Os baianos seguiam buscando o empate. Aos 23 minutos, Renê Junior quase marcou em finalização de dentro da área. Gatito salvou duas vezes no mesmo lance, antes havia pego cabeçada de Lucas Fonseca. O time da casa recuou demais seu bloco de marcação. A ponto de praticamente montar uma última linha de seis jogadores em determinados lances, mas conseguia sair nos contra-ataques. Guilherme desperdiçou mais uma chance de ampliar o placar aos 29`. O atacante entrou no lugar do apagado Joel.

Jair Ventura reforçou ainda mais o seu meio-campo. Sacou Camilo e pôs o volante Matheus Fernandes e abriu novamente Bruno Silva no lado dieito. Seguia as duas linhas de quatro, mas agora com dois atacantes de velocidade à frente delas - Rodrigo Pimpão e Guilherme. Guto Ferreira colocou o atacante João Paulo e tirou o volante Édson, recuando Juninho para sua função de origem. Gustavo também entrou no lugar de Zé Rafael nos últimos minutos e o Bahia buscou a bola aérea para o centroavante.

Mesmo com mais volume no segundo tempo, os visitantes não conseguiram colocar a bola no chão e ter um jogo tão criativo diante uma defesa muito organizada. Criou chances num momento de indefinição tática após uma substituição e depois na base do ``abafa``. O resultado pode não ser inteiramente justo, mas premia a equipe que foi mais precisa e intensa durante os 90 minutos.


Por Rodrigo Coutinho - @RodrigoCout 

Deixe um comentário

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores. É necessário estar logado no facebook para comentar.

 

Bem-vindo ao Linha Alta. Site com conteúdo futebolístico.

© Linha Alta 2016

Edited by Douglas Menezes