3 de maio de 2017

Completa e dinâmica: Juve de Allegri vence Monaco e põe um pé na final da Champions

Compartilhe nas redes sociais

Numa grande e não surpreendente atuação, a Juve foi capaz de brecar o fortíssimo ataque do Monaco e foi além ao conseguir uma vantagem de dois gols para o confronto em Turim. Com um estupendo Daniel Alves como fator de desequilíbrio, a Juventus contou com dois tentos de Gonzalo Higuaín para vencer o rival monegasco, que teve grandes problemas para gerar chances de gol frente ao fortíssimo sistema defensivo italiano.

Higuaín parece ter passado em algum restaurante dos bons antes da partida, mas foi o autor dos dois gols da vitória de sua equipe. (Foto: B.Papon/L'Équipe)
A Juve tem a melhor defesa da Europa, mas não é um time exclusivamente defensivo. Ninguém domina a Liga Italiana se não souber o que fazer com a bola. E a Juventus dessa temporada está conseguindo encontrar muitas alternativas ofensivas. Seja com Mandzukic, com Cuadrado ou até mesmo com maior liberdade aos laterais, Massimiliano Allegri transformou a equipe em um time completíssimo e cheio de repertório e a provável ida à final da Champions League é, em grande partida, mérito dele, que soube compreender as boas coisas deixadas por Antonio Conte e conseguiu dar um upgrade em outros aspectos. A Juve deve chegar ainda mais forte do que em 2015, quando perdeu a final para o Barcelona.


O Monaco foi a campo com seu 4-4-2 de sempre, mas com Dirar na lateral direita e Sidibé na esquerda. Benjamin Mendy foi desfalque de última hora por lesão na coxa. Já na Juve, Allegri optou por ter Dani Alves como ponta e Barzagli como lateral pela direita em um 4-2-3-1 muito móvel. Com o BBC defensivo, a Juve conseguiu barrar grande parte dos cruzamentos - onde Mendy fez muita falta - do Monaco.


A Juve, que dominou a posse no início da partida, gerou grandes dificuldades ao Monaco com a presença ofensiva de Dani Alves e Alex Sandro. Espetados e muito participativos ofensivamente, a dupla gerou indefinições na marcação do Monaco, já que Dybala, Mandzukic e Higuaín foram uma grande ameaça pelo centro. Com isso, Leonardo Jardim optou por fazer seu time preencher o meio e compactar as linhas, deixando muito espaço para os laterais bianconeri.


Mas foi num contra-ataque que os italianos abriram o placar. Dybala lançou Higuaín, que dominou, girou e viu a passagem de Daniel Alves, que deu uma linda assistência para o argentino, livre, abrir o placar. Bakayoko só observou o lance. A participação ofensiva de Dybala, Higuaín e Dani Alves foi muito grande durante a partida, inclusive criando o segundo gol, novamente em assistência de Dani Alves para Higuaín, mas já na segunda etapa e em nova falha de Tiemoué Bakayoko.





A Juventus novamente mostrou a força de quem quer ganhar a UEFA Champions League. Parou um Monaco muito nervoso e carente de um Thomas Lemar mais ligado e da dupla Fabinho-Bakayoko mais precisa na partida. Também aproveitou as falhas defensivos para machucar o rival e marcar seus gols, que colocam uma grande vantagem no placar para o confronto na Itália.

Olho para esta Juventus. É um time muito capacitado defensivamente, mas não se resume a isso. Tem um sistema ofensivo muito bom também e se chegar à final, será um adversário duríssimo ao Real Madrid, que está praticamente garantido em Cardiff.

Por Nicolas Müller - @_nicolasmuller

Siga-nos no Twitter: @linhaalta

Deixe um comentário

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores. É necessário estar logado no facebook para comentar.

 

Bem-vindo ao Linha Alta. Site com conteúdo futebolístico.

© Linha Alta 2016

Edited by Douglas Menezes