17 de abril de 2017

Arsenal volta a vencer fora, se reaproxima do G4, mas não convence

Compartilhe nas redes sociais

Com um novo esquema tático, o Arsenal foi até Middlesbrough e venceu a equipe da casa por 2x1, em partida que fechou a rodada 33 da Premier League. Os Gunners alcançam a sexta colocação com 57 pontos, sete atrás do Manchester City, quarto colocado, mas com um jogo a mais. Alexis Sanchez e Ozil fizeram para o time da capital. Negredo descontou para o Boro. Apesar do triunfo, o Arsenal mostrou mais uma vez a inconstância tática e a irregularidade emocional que permearam a sua temporada. Muito difícil acreditar numa classificação da equipe para a maior competição de clubes do Mundo
Sanchez fez um lindo gol de falta na vitória dos Gunners. Foto: Arsenal FC

Pressionado a alterar a realidade recente de muitos gols sofridos, o técnico Arsene Wenger resolveu radicalizar, pelo menos no esquema tático escolhido. Pela primeira vez na temporada mandou o Arsenal a campo com linha de três defensores atrás. Chamberlain foi escolhido para atuar na ala direita. A dinâmica era a mesma da maioria das equipes que vem utilizando o sistema: atacar no 3-4-2-1 e defender-se no 5-4-1.
Disposição Tática inicial das equipes
Trio de zaga do Arsenal saindo jogando.

A equipe da casa, igualmente desesperada, mas lutando contra um virtual rebaixamento, foi montada mais uma vez no 4-1-4-1 pelo ex-auxiliar e atual técnico Steve Agnew. A proposta era marcar muito forte em bloco baixo, com raríssimos avanços de linhas. Gaston Ramirez era o ponto que poderia desequilibrar, saía bastante da esquerda e povoava a região central do campo. A tentativa, porém, era muito pouco para manter a posse de bola do Boro. Principalmente após a saída do brasileiro Fabio, que era o destaque dos anfitriões até sair lesionado aos 17 minutos do primeiro tempo.

A estratégia inicial do Middlesbrough conseguiu travar o Arsenal até metade da primeira etapa. O time de Londres tinha a posse, chegou a impressionantes 73% em determinado momento, mas faltava mais infiltração e aproximação no terço final. Sanchez tentava, diferente de Ozil, que viveu um primeiro tempo digno de seus melhores momentos de sono.
Flagra da intensidade do Boro para marcar. Esta subida de linhas era rara, mas incomodava o Arsenal. No detalhe em azul, o lateral Friend até se afasta da última linha de defesa para não deixar Chamberlain receber com liberdade.  

Um dos preceitos para que o esquema utilizado pelo Arsenal dê certo quando se propõe o jogo é a participação efetiva dos zagueiros. Gabriel Paulista, Koscielny e Holding foram intensificando a velocidade da troca de passes, avançando no campo e ousando um pouco mais nos passes verticais. O cenário possibilitou que Xhaka e Ramsey pudessem se aproximar dos homens de frente e o jogo dos Gunners passou a fluir.
Um exemplo do que foi importante para o Arsenal conseguir dominar a segunda metade do primeiro tempo. Gabriel(circulado em vermelho) tem a bola e participa ativamente do momento ofensivo. Isto possibilita o avanço e a infiltração de Ramsey(circulado em branco). Mais aproximação no terço final do campo 

Já havia chegado com perigo em duas ocasiões quando Xhaka sofreu falta na entada da área. Alexis Sanchez, sempre ele, bateu com perfeição e marcou, aos 41 do primeiro tempo, o seu vigésimo-terceiro gol em 42 jogos na temporada. O resultado fazia justiça a melhora do Arsenal nos últimos 20 minutos do primeiro tempo.

Na segunda etapa o Arsenal mantinha a posse de bola predominante, mas não repetia a intensidade de movimentação que havia mostrado. O comportamento se estendeu também à fase defensiva e, num contra-ataque bem pragmático, Downing teve total liberdade para servir Negredo dentro da área. O centroavante espanhol se infiltrou entre Gabriel e Koscielny para empatar o jogo antes dos dez minutos.
Aqui a origem do gol do Middlesbrough. Repare no alto da imagem, Circulado em amarelo, Chamberlain não fecha a linha de cinco na defesa e abre espaços para infiltrações. Retrato do Arsenal nos minutos iniciais do segundo tempo. Falta de intensidade para marcar e transição defensiva lenta   

O Boro se animou e foi pra cima. Talvez esteja aí o erro de estratégia. Não que não tenha criado. Foi perigoso, principalmente na bola aérea, mas deu espaços para o Arsenal. Com o jogo franco, a equipe com mais qualidade técnica acaba se beneficiando. Mesmo sem ter a mesma organização ofensiva de alguns momentos da primeira etapa, os Gunners voltaram a estar na frente do placar. Sanchez descobriu Ramsey dentro da área e o galês ajeitou de peito para Ozil marcar.
Ramsey( circulado em vermelho) faz a infiltração e mantém princípio apresentado no primeiro tempo

A partida seguiu com o mesmo caráter até o apito final. Chamberlain e Giroud tiveram chances de ampliar. Por outro lado, Cech salvou o Arsenal com duas grandes defesas, o que equilibrou o pêndulo da justiça e o resultado ficou de bom tamanho. O Middlesbrough segue sem vencer na Premier League desde dezembro, caminha a passos largos para o rebaixamento. E o Arsenal parece se despedir de forma melancólica de Arsene Wenger.

Por Rodrigo Coutinho - @RodrigoCout

Deixe um comentário

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores. É necessário estar logado no facebook para comentar.

 

Bem-vindo ao Linha Alta. Site com conteúdo futebolístico.

© Linha Alta 2016

Edited by Douglas Menezes