27 de novembro de 2016

United oscila entre os tempos e empata com West Ham no Old Trafford

Compartilhe nas redes sociais

Manchester United e West Ham empataram por 1-1 no Old Trafford, pela Premier League. Em partida válida pela décima terceira rodada da competição, as equipes fizeram uma partida aquém das suas qualidades individuais e coletivas (no caso do West Ham), mas o suficiente para divertir o fã do esporte, com muitos lances de perigo e grandes defesas de Darren Randolph. 

Ibrahimovic marcou o gol do United. (Foto: Martin Rickett/PA)
O United foi a campo com seu 4-2-3-1 de ataque bastante móvel e dois volantes participativos na criação. O trio de meias atrás de Zlatan Ibrahimovic foi composto por Juan Mata, Jesse Lingard e Marcus Rashford. O embate iniciou com Lingard por dentro, Mata na direita e Rashford na esquerda, mas durante o jogo inteiro os três variaram o posicionamento. Também sem novidades, o West Ham montou seu 3-4-2-1 com liberdade para Manuel Lanzini e Dimitri Payet e uma defesa (que não foi) sólida. 


O cenário que ambos os treinadores projetaram para a partida foi logo modificado. Um minuto de partida e Diafra Sakho já colocava os Hammers em vantagem, após cobrança de falta de Payet. O West Ham deveria ficar mais confortável dentro do seu plano de jogo, mas exagerou. Parou de jogar. United teve domínio da partida durante o primeiro tempo, criou inúmeras chances e empatou com um bonito gol de cabeça de Ibrahimovic, em assistência de Pogba. Um gol que, aliás, mostra como o West Ham foi pouco agressivo na abordagem sobre os dois volantes dos Red Devils. Ander Herrera e Paul Pogba tiveram espaço e tranquilidade para acionar o trio de meias e Ibrahimovic na entrelinha rival. 

Os recuos de Ibrahimovic, a tranquilidade para o United rodar a bola e explorar as entrelinhas do rival. Mas só no primeiro tempo. 
O primeiro tempo findou com quase 75% da posse de bola para os diabos, que finalizaram nove vezes ao gol de Darren Randolph. O goleiro foi o responsável pelo empate, diga-se. Rashford e Lingard tiveram ótimas oportunidades para virar o marcador e foram impedidos pelo goleiro.irlandês. A estratégia de contra-atacar por parte do West Ham definitivamente não deu certo no primeiro tempo e o time escapou por pouco de uma reviravolta no placar. Até roubou algumas bolas na zona intermediária do campo, mas de jeito algum conseguiu dar prosseguimento às jogadas e gerar perigo ao gol defendido por David de Gea. 

Ander Herrera, o gestor das posses de bola vermelhas. Muito mais controlador que Pogba, uma dupla de volantes de contrastes e qualidades. 

O bloqueio defensivo do West Ham no 5-4-1.
No United, destaque para a movimentação constante do quarteto ofensivo e da facilidade que Ander e Pogba tiveram para acioná-los. Ibrahimovic, nos seus famosos recuos, foi fator determinante para os ataques vermelhos. Recua, gera espaço e indefinição no trio de zagueiros do rival e, de frente para o lance, tem qualidade para fazer algo diferente, seja com um passe ou uma finalização. Desmonta defesas só com esse movimento. E ainda utilizou bastante seu poderio físico para incomodar, vide o gol. A defesa do West Ham ajudou com muita incompetência, mas o sueco conseguiu receber quase todos os lançamentos para ele na área. 

O segundo tempo marcou uma melhora do West Ham na produção de futebol, saiu da zona de conforto e mudou a postura. Aí que as deficiências do Manchester United como equipe foram expostas. Sem fluidez ofensiva e quase que totalmente dependente do talento individual, os diabos não conseguiram virar o marcador e nem manter o domínio da partida que tiveram na primeira etapa. O jogo seguiu como no fim do primeiro tempo: aberto. Um jogo bem 'Premier League', de fato. Muitas transições e chances de gol. 

Mourinho segue penando para padronizar as atuações da sua equipe. Ora joga um futebol eficiente e vistoso, ora não consegue nem ao menos atacar com organização. Tirar a responsabilidade das individualidades no jogo ofensivo parece ser uma questão prioritária para o Manchester United. O título já fica bem distante e uma provável vaga na Uefa Champions League vai se desgarrando, com Man City, Chelsea, Liverpool e Arsenal mantendo regularidade, fica difícil imaginar o United encostando. Já o West Ham de Bilic conseguiu um bom resultado, embora a atuação bem ruim do primeiro tempo. Tem elenco, porém, para jogar mais futebol e não depender tanto de Dimitri Payet. 

@_nicolasmuller

Deixe um comentário

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores. É necessário estar logado no facebook para comentar.

 

Bem-vindo ao Linha Alta. Site com conteúdo futebolístico.

© Linha Alta 2016

Edited by Douglas Menezes