16 de novembro de 2016

Renato ''coringa'' e imposição de modelo de jogo: os detalhes da sexta vitória do Brasil de Tite

Compartilhe nas redes sociais

O Brasil chegou a sexta vitória em seis jogos sob o comando de Tite na madrugada desta quarta-feira. A Seleção venceu o Peru por 2x0, em Lima, com gols de Gabriel Jesus e Renato Augusto. O ex-jogador do Corinthians, ao lado de Phillippe Coutinho, foi o grande destaque tático e individual do jogo, sendo determinante para que a equipe mudasse o panorama inicial da partida. Com o triunfo, o time de Tite vai a 27 pontos, abre quatro de frente para o vice-líder Uruguai, e oito para a Argentina, equipe que ocupa atualmente a quinta colocação.
Renato(circulado em amarelo) aparecendo na saída na primeira linha brasileira. Camisa 8 foi muito importante para o Brasil fugir da pressão peruana na saída de bola. No detalhe em vermelho, Daniel Alves compensa movimentação do companheiro.

Inflamada pela sua torcida e baseada numa estratégia de pressionar o Brasil na saída de bola, a seleção peruana impôs dificuldades no primeiro tempo. O primeiro combate era dado por Cueva e Guerrero, seguidos pela linha de meio-campo do time da casa, que subia no homem da bola com bastante agressividade, mesmo com desfalques importantes em seu sistema de marcação.
Disposição Inicial das equipes.

A postura dos comandados de Ricardo Gareca fez com que o Brasil se precipitasse. Acabou tentando resolver as coisas com afobação. Faltou um pouco mais de aproximação em alguns momentos e a saída era a bola esticada para Neymar, Gabriel Jesus e Phillipe Coutinho. O cenário afastava o Brasil da meta peruana, algo que começou a mudar quando o ‘’coringa’’ Renato Augusto entrou em ação.
Pressão peruana na saída brasileira foi intensa e dificultou muito as coisas na parte inicial do jogo

Dono de visão de jogo acima da média e um passe bem qualificado, o camisa 8 passou a integrar a primeira linha brasileira na saída de bola, liberando Daniel Alves, confundindo os peruanos e dando mais potencial técnico a esta primeira tomada de decisões. Já em fase ofensiva, prosseguia no flanco direito, fazendo com que Phillipe Coutinho utilizasse a sua intensa movimentação e habilidade pela faixa central. As ‘’permutas’’ ocasionaram um rendimento superior ao Brasil e o domínio do jogo na maior parte do primeiro tempo.
Aqui em fase ofensiva, mais uma vez Renato Augusto aberto e Phillippe Coutinho na faixa central. Esta troca foi uma constante nesta partida em virtude do cenário encontrado

A Seleção teve duas ótimas chances. A primeira delas em puxada de contra-ataque de Neymar, mas que Paulinho acabou finalizando em cima de Gallese. A segunda em escanteio, em nova assistência de Neymar, desta vez para Fernandinho perder grande chance. O Peru também assustou. O perigoso Carrilo acertou a trave após tabela com Cueva.
Sem a bola, Renato Augusto voltava a sua função no 4-1-4-1 da Seleção.

A dupla responsável pela principal jogada peruana, além de Yotun e Polo, imprimia intensa movimentação quando o Peru tinha a bola. Buscando dar sempre velocidade na troca de passes e aproximação a Guerrero, seja em bolas esticadas ou numa construção mais curta. O Brasil pecava um pouco na pressão ao portador da bola quando estava em fase defensiva, mas o conceito de pressionar assim que se perde a posse foi mais uma vez muito bem executado. Princípio absorvido perfeitamente pelos atletas até aqui.

No segundo tempo, o Brasil voltou respondendo a pressão peruana em sua saída a altura. Apostou em seu jogo apoiado: troca de passes pelo chão, aproximação e movimentos para gerar linhas de passe. A estratégia deu resultado! O Brasil impôs o seu estilo e chegou ao gol aos 12 minutos. Gabriel Jesus não vinha bem no jogo, mas finalizou com toda a sua qualidade uma jogada que começou com Renato Augusto aberto pela direita, projeção de Daniel Alves e Phillippe Coutinho aproveitando o espaço gerado pela movimentação citada.
Origem do primeiro gol, Renato Augusto é o jogador mais próximo a linha lateral, Daniel Alves passa por dentro. Movimentação gera espaços na faixa central, bem aproveitados por Coutinho em todo o jogo, inclusive neste flagra. É ele quem vem de trás pedindo bola e cria a jogada do gol de Gabriel Jesus

A vantagem deu mais tranquilidade e o Brasil controlou o jogo até o apito final. O Peru teve uma ótima chance em jogada de bola parada, Alisson apareceu bem, mas Neymar já havia acertado o travessão quando Renato Augusto recebeu de Gabriel Jesus e coroou sua grande atuação com o segundo gol brasileiro.

Seis jogos, seis vitórias, 15 gols marcados e apenas um sofrido. Este é o Brasil comandado por Tite! Uma equipe! Por mais que pareça contraditório, mas o treinador conseguiu formar uma com apenas seis partidas e tempo escasso de treinamento. Para muitos a geração era fraca, mas quem ama o futebol no Brasil vai aprendendo importantes lições da atual realidade do esporte. Que este sopro sirva para aprendermos a ver de uma vez por todas o ‘’esporte bretão’’ por uma nova perspectiva: a coletividade que potencializa individualidades!


Deixe um comentário

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores. É necessário estar logado no facebook para comentar.

 

Bem-vindo ao Linha Alta. Site com conteúdo futebolístico.

© Linha Alta 2016

Edited by Douglas Menezes