5 de novembro de 2016

Real Sociedad derrota Atlético de Madrid e realça evolução sob comando de Eusebio Sacristán

Compartilhe nas redes sociais

A Real Sociedad está em um momento de evolução grande na temporada e a vitória de hoje, perante o Atlético de Madrid, realça as qualidades do time de Eusebio Sacristán. Com um coletivo organizado e forte mentalmente, os bascos conseguiram vencer os colchoneros por 2-0, com ambos os gols de pênalti. O mexicano Carlos Vela abriu o placar e o brasileiro Willian José, de ótima partida, fechou o marcador.

Deixe o preconceito de lado. Willian José está crescendo muito na Espanha. (FOTO: Ángel Rivero/Marca)
Com quatro vitórias nos últimos cinco jogos (incluindo o vs. Atlético), a Real Sociedad se coloca entre os melhores times desse início de temporada na Espanha. Contra a então melhor defesa de La Liga, a Real manteve sua meta zerada e contou com uma partida estupenda de Mikel Oyarzabal e Carlos Vela para vencer o Atlético Madrid e assumir o sexto posto na tabela.

Os times foram distribuídos assim no Anoeta.
A Real Sociedad jogou no 4-2-3-1 na maior parte do tempo em San Sebastián. Em alguns momentos da partida, porém, Zurutuza e Xabi Prieto se alinharam por dentro, com Carlos Vela e Mikel Oyarzabal por fora, formando assim um 4-1-4-1. O Atlético de Madrid de Diego Simeone utilizou o mesmo 4-4-2 de sempre, bastante conhecido do público futeboleiro.

Seis jogadores do Atlético forçando a Real Sociedad a lateralizar o jogo. 
Atlético utilizando sua conhecida estratégia de forçar o adversário a sair jogando pelas beiradas do campo, para pressionar, roubar a bola e acelerar no contra-ataque. Atlético adotou a postura bastante reativa até 15-20' minutos de jogo. A Real teve controle da partida durante esse período, mais posse de bola (70-30%) e conseguiu frear os contra-ataques madrilenhos. O Atlético, porém, teve muita pressa para contra-atacar. A estratégia dava certo até o ponto onde precisava encaixar alguma condução ou algum passe em velocidade. Nesse ponto as coisas ficavam impossíveis, porque o Atlético não tomou boas decisões e exagerou na pressa.

Atlético postado no seu 4-4-2 defensivo e a Real buscando explorar a entrelinha com Oyarzabal. Yuri utiliza o corredor deixado pela movimentação do extremo. Willian José dá profundidade. 
A Real utilizou muito durante a partida inteira os avanços do lateral esquerdo Yuri. Oyarzabal ora centralizava, ora permanecia na ponta para auxiliar o companheiro. Do outro lado, Carlos Vela dominou e Carlos Martínez foi mais tímido no apoio. O mexicano, aliás, fez o primeiro gol e sofreu o pênalti que Willian José converteria para ampliar o placar. Foi o homem da partida, sem dúvida. Suas conduções com a perna esquerda e sua movimentação foram vitais para que a Real Sociedad pudesse atacar e contra-atacar com fluidez.

Após o controle basco em um primeiro momento, o Atlético tomou as redeas da partida na metade do primeiro tempo. Buscou propor o jogo, equilibrou a posse de bola (50-50%) e quase abriu o placar com Kévin Gameiro, em um roubo de bola na cabeça da área dos txuri-urdin. A chamada pressão pós-perda (da posse de bola) foi um dos fatores que movimentaram o primeiro tempo. Ocorreu de ambos os lados, com as duas equipes buscando forçar o erro do rival.

O Atlético recupera a posse da bola e quase instantaneamente a Real exerce pressão no portador da bola para readquirir o direito sobre a pelota. Outros dois jogadores buscam fechar a opção de passe do jogador com a bola. 
A segunda etapa foi de total controle da Real Sociedad. O gol cedo (aos 53') deu tranquilidade para a equipe administrar o placar. Willian José, Oyarzabal e Vela foram válvulas de escape nas ligações diretas e a defesa foi quase perfeita, impedindo qualquer coisa que o Atlético tentou. E não se surpreendam se Tite convocar Willian José nas próximas oportunidades (chegou hoje ao seu sexto gol na liga espanhola). O centroavante tem evoluído muito e gradualmente na Espanha. Teve boas passagens em Zaragoza e Las Palmas e agora começa a galgar espaço na elite espanhola. Olho nele.

A partida ruim de Antoine Griezmann também é destacável. Longe do nível de Carrasco e Gameiro - que não fizeram uma partida tão boa assim, diga-se - o francês não conseguiu nem utilizar-se da lei do ex. Esteve apagado durante boa parte do embate e caiu junto com seus companheiros, que estacionam nos 21 pontos e podem ver o rival merengue abrir seis pontos na liderança do campeonato.

@_nicolasmuller


Deixe um comentário

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores. É necessário estar logado no facebook para comentar.

 

Bem-vindo ao Linha Alta. Site com conteúdo futebolístico.

© Linha Alta 2016

Edited by Douglas Menezes