3 de novembro de 2016

Aduriz melhora com o tempo e repoker contra o Genk é só mais um exemplo

Compartilhe nas redes sociais

É clichê, mas verdadeiro: Aritz Aduriz é como vinho, melhora com o tempo. O centroavante espanhol continua doutrinando em terras europeias e, aos 35 anos, fez história ao marcar cinco gols contra o Genk pela Europa League. O primeiro jogador a atingir o feito na fase atual dessa competição (houveram outros casos quando era ainda Copa da Uefa). Se tornou o maior artilheiro do Athletic Bilbao em competições europeias (21 gols) e caminha para colocar seu nome no topo da lista histórica de artilheiros (é o 10º atualmente) do clube basco.

Lendário. (Foto: Alvaro Barrientos/AP)
Quando se fala em centroavante, só consigo pensar em Aduriz. É a personificação da MITOLOGIA em volta da posição que nós mesmos criamos. Do jogador que faz gols de qualquer jeito, raramente perde uma oportunidade e nem precisa dar muitos toques na bola para resolver a partida. Aduriz é assim, mas obviamente adaptado ao futebol moderno. Hoje, por exemplo, marcou seus cinco gols (três de pênalti) com um toque na bola.

O rapaz que chegara do Valencia já com seus 32 anos para disputar posição com o selecionável Fernando Llorente - que havia anunciado que não renovaria o contrato com o clube - torna-se cada dia mais ídolo dos Leones. Aduriz assumiu o posto de centroavante titular com facilidade e anotou logo de cara dezoito gols na sua temporada de reestreia pelo Athletic. Já são 131 gols pela equipe e pelo andar da carruagem, esse número ainda vai aumentar bastante.

Quando falamos de um jogador de 35 anos vivendo seu auge, é normal logo de cara pensar na manutenção do nível temporada após temporada. Acontece que com Aduriz isso é um pouco diferente. Ele evolui a cada temporada, seja em média de gols ou em outros sentidos. Aritz vem de uma temporada com 36 gols em 55 jogos. Difícil bater, não é mesmo? Mas ele já tem 10 gols em 13 jogos na atual época. Difícil encontrar limites para um jogador assim, que aprimora a si mesmo a cada jogo e que melhora a cada temporada. Isso o torna cada vez mais ídolo de uma torcida tão apaixonada como é a do Athletic.

Aduriz não é só o goleador da equipe. O papel dele dentro do funcionamento desse Athletic de Ernesto Valverde é gigante. Faz múltiplas funções, até saindo da área para buscar o jogo. Aritz torna a ligação direta uma boa solução para a saída de bola, porque ele é um monstro nessas jogadas (e ainda conta com Raúl García próximo). É pivô para as infiltrações de Iñaki Williams e Iker Muniain, é de fato um centroavante fixo na maior parte do tempo, centralizando toda a atenção dos defensores. A verdade é que Aritz Aduriz se tornou uma arma letal. Inclusive convocado para a seleção espanhola que representou o país na Euro 2016. A prova de que o esforço para se tornar melhor é reconhecido, mesmo com seus 35 anos.

O mundo olha para Aduriz com prazer. Ele representa um romantismo que o futeboleiro sempre se agarra, mesmo não sabendo o motivo. Aritz Aduriz é provavelmente o maior exemplo de auge tardio do futebol atual, já que Toto Di Natale nos deixou. Aduriz é a história sendo escrita, embora marginalizado em uma liga com Cristiano Ronaldo e Lionel Messi. Impossível ser diferente, mas é possível reconhecer suas façanhas. Que assim o façamos.



@_nicolasmuller

Deixe um comentário

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores. É necessário estar logado no facebook para comentar.

 

Bem-vindo ao Linha Alta. Site com conteúdo futebolístico.

© Linha Alta 2016

Edited by Douglas Menezes