13 de outubro de 2016

Botafogo tem dificuldades para propor o jogo, mas vence um Inter dependente de Vitinho no fim

Compartilhe nas redes sociais

Em jogo fraco tecnicamente, o Botafogo venceu o Internacional por 1x0 na noite desta quarta-feira, no estádio Luso Brasileiro, Ilha do Governador, e alcançou a quinta colocação do Campeonato Brasileiro com 47 pontos. O gol alvinegro foi marcado pelo atacante Sassá, aos 40 minutos da segunda etapa, cobrando pênalti que ele mesmo sofreu do zagueiro Eduardo. O time da casa teve muitas dificuldades para construir jogadas diante de um Internacional mais uma vez em péssima atuação coletiva. O resultado mantém o Colorado na zona de rebaixamento há oito jogos do fim da competição e deixa o time carioca na generosa zona de classificação para a Libertadores.
Foto: Vitor Silva / Um dos artilheiros da competição com 11 gols, Sassá comemora o tento que deixou o Glorioso na quinta colocação do Brasileirão.

Mesmo com Sassá recuperado, Jair Ventura preferiu esperar o segundo tempo para colocar um dos artilheiros do campeonato em campo. Vinícius Tanque foi o escolhido para jogar na referência ofensiva e o Glorioso formou da maneira que vem atuando desde o início do ano. Três volantes de ofício que formam uma trinca de meio quando o time tem a bola, mas quando o time é atacado um deles abre para produzir uma linha de quatro no meio. Camilo ganhou uma função importante para o jogo alvinegro. Projetou-se bastante pelo flanco direito para abrir a defesa colorada e contar com o mesmo movimento de Neilton pelo outro lado.
Sem a bola, Botafogo segue se fechando com duas linhas de quatro. Um dos volantes abre e Neilton recompõe pelo outro lado. Inter com Alex(círculo laranja) saindo da esquerda para ajudar na pífia saída de bola colorada

O Botafogo, porém, mais uma vez teve dificuldades para construir jogadas, propor o jogo. É um time que funciona melhor reagindo aos estímulos dos adversários. Sofreu muito com o estado do gramado e também com a condição técnica do trio Airton, Rodrigo Lindoso e Dudu Cearense. O primeiro deles ainda tinha sucesso quando buscava o passe vertical para um dos flancos do campo, mas Dudu carregava demais a bola e Lindoso errava passes. O conjunto fez com que a construção ofensiva do Botafogo fosse extremamente deficiente e o time produziu apenas um lance de perigo na primeira etapa.
Neste frame vemos a origem do melhor lance do Botafogo na primeira etapa. Neilton e Camilo(círculos amarelos) abrem e tentam 'espaçar' defesa colorada. Ceará, no detalhe, não sabe se sai em Dudu Cearense ou marca Camilo. Anselmo(círculo laranja) está atrasado e mal posicionado. Inter teve entrega na marcação, mas foi desorganizado

Se o time da casa sofria para criar, o mesmo se aplicava ao visitante. O Inter mostrava muita entrega na marcação, se posicionou bem atrás, exercendo pressão sobre a bola a partir da linha de meio-campo, mas se desorganizava a partir da movimentação dos homens de frente do Glorioso. Teve sorte pela falta de criatividade adversária. Com a bola, foi sofrível. Valdívia se movimentava pouco como meia-central. Havia participação nula dos volantes no momento ofensivo e pouco apoio ao homem que detinha a posse de bola. De positivo, apenas as tentativas de Vitinho, em grande atuação individual. Alex saia da esquerda para ajudar na paupérrima saída de bola colorada, mas era muito pouco para criar algo.
Disposição Inicial das equipes

Na segunda etapa o técnico Jair Ventura resolveu tentar solucionar os problemas de sua equipe. Sacou Dudu Cearense colocou em campo o atacante Rodrigo Pimpão. Definiu um 4-2-3-1 mais insinuante e veloz pelos lados. Tirou também Vinícius Tanque, mal tecnicamente, e deu nova vida ao comando de ataque com Sassá. O time não melhorou de imediato. Seguiu se precipitando para construir jogadas e abusou das bolas alçadas na área. Chegou com perigo apenas aos 26 minutos, em grande defesa de Danilo Fernandes após finalização de Pimpão.

Antes disso, o Inter já havia chegado com perigo em duas oportunidades com Vitinho, sempre ele. Roth sacou Valdívia para colocar Eduardo Sasha em campo e viu sua equipe melhorar a produção ofensiva com mais movimentação e participação de Rodrigo Dourado. Contava também com um Botafogo mais exposto e bem longe daquela equipe que não deixa o adversário respirar com a bola nos pés. O ótimo goleiro Sidão salvou o Botafogo em dois contra-ataques.
Aqui como ficaram em boa parte do segundo tempo. Botafogo mais ofensivo, mas ainda com problemas para criar. Inter dependente de Vitinho, mas com Sasha mais participativo que Valdívia

Na parte final da partida, o alvinegro intensificou a marcação na saída de bola colorada e conseguiu enfim ser mais perigoso. Sassá recebeu em profundidade e foi derrubado por Eduardo. O próprio bateu e aumentou o desespero dos gaúchos para a reta final da competição. O Botafogo saiu no lucro, teve dificuldades para criar, mas foi uma equipe que tentou mais o resultado. O Inter, depois de dois jogos com pequenos fragmentos de melhora, voltou a se apresentar de forma lamentável sob o aspecto coletivo. Difícil acreditar em uma evolução mínima que seja nas próximas rodadas.

Deixe um comentário

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores. É necessário estar logado no facebook para comentar.

 

Bem-vindo ao Linha Alta. Site com conteúdo futebolístico.

© Linha Alta 2016

Edited by Douglas Menezes