16 de setembro de 2016

France Football e FIFA anunciam fim da parceria na eleição de melhores do mundo e isso é muito bom

Compartilhe nas redes sociais

Prêmio Ballon d'Or voltará ao formato clássico (Foto: AFP/LLUIS GENE)


Nesta sexta-feira (16), a FIFA e a revista France Football anunciaram o fim da parceria entre as instituições para a eleição dos melhores jogadores e jogadoras de cada ano. Com isso, agora, cada meio terá sua própria votação para os mais destacáveis atletas de futebol a cada 12 meses.

A tradicional France Football faz sua eleição para melhor jogador do ano (Ballon d'Or) desde 1956, quando tornou Stanley Matthews (Blackpool) o primeiro vencedor. Até 1994, somente europeus e naturalizados poderiam disputar a premiação. Depois disso, já em 1995, todos as nacionalidades puderam concorrer e o primeiro não-europeu a vencer foi liberiano George Weah, jogador do Milan na época.
Já a FIFA criou a sua eleição em 1991. Em 2010, ocorreu o firmamento entra a revista e a entidade máxima do futebol para a Bola de Ouro ser uma honraria conjunta. De lá pra cá, só Lionel Messi (quatro vezes) e Cristiano Ronaldo (duas vezes) levaram o troféu para casa. Lembrando que, antes da premiação ser conjunta, tanto o argentino como o português venceram a disputa mais uma vez cada. Atualmente, Messi é o maior vencedor da história com 5 Bolas de Ouro conquistadas.

Com a volta do Ballon d'Or para a France Football de forma exclusiva, um novo formato será adotado: agora, jogadores (capitães das seleções) e técnicos não participarão mais da eleição, que só contará com jornalistas. Bom, e é justamente por isso que a separação entre as duas instituições não é má ideia. Com atletas e treinadores participando, as votações acabavam não ficando devidamente imparciais. Os atuantes do futebol, muitas vezes, indicavam companheiros de equipe para o prêmio ao invés de nomes que realmente fizeram por merecer uma participação na disputa do troféu. Um exemplo: quando Messi e Cristiano Ronaldo participaram da eleição, ambos nunca votaram um no outro mesmo sendo óbvio que os dois estavam no topo do nível futebolístico mundial. Claro, votar num concorrente direto em uma disputa em que você está inserido não seria muito inteligente, mas também é por isso que o sistema dos últimos anos é controverso: técnicos e jogadores, que mantém uma relação próxima de determinados oponentes, participarem em uma competição em que até os próprios concorrentes influenciam numa decisão criteriosa acaba tirando muito valor da premiação.

E isso é fator preponderante, sim. Mais um exemplo: se a eleição tivesse sido só por periodistas, Wesley Sneijder – avalista da Inter de Milão campeã da UEFA Champions League de 2009-2010 e finalista com a Holanda na Copa de Mundo de 2010 –, provavelmente, teria sido eleito o melhor jogador daquele ano em que foi protagonista em tantas conquistas importantes, já que no sistema Ballon d'Or ele venceu, mas quando a "parte" da FIFA entrou, deu Messi. No fim, na eleição final, o holandês sequer ficou entre os três primeiros. Inclusive, durante os anos em que houveram votações próprias de France Football e FIFA, ocorreram distinções. Veja abaixo:

Ano
France Football
FIFA
1991
Jean-Pierre Papin (França)
Lothar Matthaus (Alemanha)
1994*
Hristo Stoichkov (Bulgária)
Romário (Brasil)
1996
Matthias Sammer (Alemanha)
Ronaldo (Brasil)
2000
Luis Figo (Portugal)
Zinedine Zidane (França)
2001
Michael Owen (Inglaterra)
Luis Figo (Portugal)
2003
Pavel Nedved (República Tcheca)
Zinedine Zidane (França)
2004
Andriy Shevchenko (Ucrânia)
Ronaldinho (Brasil)

* Até 1994, só europeus concorriam ao prêmio da France Football.

É muito bom ver que, a partir de agora, a Bola de Ouro terá a votação apenas de especialistas em futebol e de pessoas que não possuem nenhuma afinidade direta com os concorrentes. Um prêmio tão importante para o esporte precisava voltar a ter uma eleição mais justa, equilibrada, disputada e imparcial. A forma clássica voltou e isso é muito bom.


Ismael Pereira
@IsmaelJPereira

Deixe um comentário

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores. É necessário estar logado no facebook para comentar.

 

Bem-vindo ao Linha Alta. Site com conteúdo futebolístico.

© Linha Alta 2016

Edited by Douglas Menezes