9 de maio de 2016

Guia Tático do Brasileirão - Atlético Mineiro

Compartilhe nas redes sociais

O Atlético Mineiro não renovou com Levir Culpi ao final do ano passado. O treinador que deu um vice nacional ao Galo na última temporada tinha uma metodologia de jogo bem diferente do atual treinador, Diego Aguirre. O uruguaio treinou o Internacional em 2015 e fez uma "revolução" por lá. Subiu Alisson, William, Dourado e Valdívia, deixando "cascudos" indicados pela direção em segundo plano. Chegou à uma semifinal de Libertadores com um elenco muito jovem. Acabou sendo demitido, é verdade, mas uma parte da torcida não engole a demissão.

Atlético-MG é um dos favoritos ao título brasileiro (Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG).

No Galo, Diego tenta implantar seu estilo: jogo direto, marcação alta, sufoco inicial e velocidade. E ele têm os jogadores certos: Rafael Carioca é um dos melhores passadores do país, Pratto é um "fenômeno", como diz Aguirre, batalha pela primeira bola, cai nas pontas, sabe trabalhar a posse e ainda faz gols. Pelas bandas tem Luan, Patric e o jovem Hyuri, todos rápidos e com muita disciplina. Datolo, Robinho, Juan Cazares e Clayton cabem em qualquer barca. Se nada atrapalhar, o Galo é favorito ao Brasileiro.

ESTRUTURA TÁTICA 


Uma das muitas formas de jogar do Galo de Aguirre. Esta é a que mais vem sendo utilizada recentemente


Aguirre utiliza normalmente o velho e bom 4-2-3-1 com a bola. Sem a posse, muda para 4-4-1-1. Também não é raro ver o 4-3-3 em campo.  Aguirre é conhecido por mudar. O uruguaio costuma utilizar todo o elenco e isso lhe dá um leque de opções. Galo iniciou o ano em um 4-2-3-1, perdeu Patric e Luan, dois jogadores com o "Selo Aguirre" e trocou o esquema para um 4-3-3 bem diferente. Colocou Robinho e Cazares nas pontas, que não tem característica de recomposição e fortaleceu o meio com "três volantes". Junior Urso, Rafael Carioca e Leandro Donizete não tem característica de infiltração e retenção de bola. Mas quem disse que é empecilho

FASE OFENSIVA

Aguirre ama pontas agudos. Seja com Robinho, Patric, Clayton, Luan ou Hyuri, eles "espetam" e abrem nas pontas esperando a bola do meia ou centroavante, dando amplitude. Buscando o 1x1, com muita vitória pessoal e velocidade. Uma arma bem usada é a aproximação de Pratto. O atacante trabalha a bola com qualidade e não se importa em sair da área. Quando o "Urso" sai, ela é ocupada pelos meias ou pontas. Outra marca de Aguirre: o "10 clássico" nãé importante. Seus times jogam direto e a prioridade é recuperar a bola e levar ao ataque com rapidez. Sem cerimônias.


Movimentação de Lucas Pratto é fundamental para o funcionamento dos mecanismos ofensivos do Galo.


TRANSIÇÃO OFENSIVA 

A saída de bola do Galo é refinada. Junior Urso tem recursos, Leandro Donizete não é ''bobo'' e Rafael Carioca abusa da técnica. Seja em passes curtos ou longos, busca a bola dos defensores, distribui com qualidade e quase nunca erra. O apoio dos laterais é constante, quando isso acontece, os pontas entram na área pra causar maioridade numérica.


Rafael Carioca é um dos "homens da transição" de Aguirre.


 FASE DEFENSIVA

O Galo usa muita pressão no portador da bola, uma prática "sudaca", encaixe zonal e perseguição curta. O que mudam são os modelos. Quando joga fora, marca no 4-1-4-1, com Donizete entrelinhas. Em casa, no 4-4-1-1, com Robinho fazendo a transição, caso recupere a bola. Mas há defeito: Léo Silva e Erazo são pesados e o bloco alto prejudica os defensores em caso de jogo direto dos adversários.


Linhas de marcação do Galo.
Flagrante do bloco alto do time atleticano.


DESTAQUE TÁTICO

Rafael Carioca é ótimo taticamente (Foto: Bruno Cantini/ Atlético-MG)

Aguirre se derrete, com razão, por Lucas Pratto, mas nós do Linha Alta somos ''fanboys'' de Rafael Carioca! O meio-campista é um abuso; passes exuberantes, desarmes limpos e ainda se arrisca na frente. O jogador surgido no Grêmio é um dos melhores do país e deveria ser lembrado por Dunga na Seleção. Dá equilíbrio, fluidez e técnica ao time. Candidato a craque do campeonato, tem 96% de índice de acerto de passes e média de quatro desarmes por jogo.


Mairon Rodrigues - @ Maiiron_

Deixe um comentário

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores. É necessário estar logado no facebook para comentar.

 

Bem-vindo ao Linha Alta. Site com conteúdo futebolístico.

© Linha Alta 2016

Edited by Douglas Menezes