4 de fevereiro de 2016

Da lanterna à liderança

Compartilhe nas redes sociais

Em uma bela tarde de sábado, mais precisamente no dia 4 de abril de 2015, o então lanterna da Premier League Leicester City vencia o West Ham no King Power Stadium. Mais que uma simples vitória, aquele jogo marcava o início da ascensão meteórica do time de Nigel Pearson, que venceu 7 das últimas 10 partidas do campeonato e livrou-se do rebaixamento em um final surpreendente.

Riyad Mahrez e Jamie Vardy são os destaques do atual líder da Premier League

A temporada acabou e os Foxes permaneceram na Premier League. Mas, como na arrancada para o escape, o Leicester surpreendeu novamente: demitiu Nigel Pearson, um dos fatores para a permanência da equipe na elite, e anunciou Claudio Ranieri como novo treinador alguns dias depois. A razão pela qual Pearson saiu foi a incompatibilidade com a direção do clube. Já Ranieri vinha de um curto trabalho com a Seleção Grega e duas temporadas com o Monaco na Ligue 2. 

Com treinador definido, o Leicester tratou de reforçar o elenco. Da França trouxe N’Golo Kanté, volante com destaque no Caen, por oito milhões de euros. Já Gokhan Inler, sem espaço no Napoli, foi contratado para substituir Esteban Cambiasso, que partira rumo ao Olympiacos. Christian Fuchs, lateral esquerdo da Seleção Austríaca e Shinji Okazaki, atacante com ótimos números pelo Mainz 05, vieram da Bundesliga. Yohan Benalouane e Robert Huth, ex-Chelsea, também chegaram para tentar sanar os problemas defensivos da equipe.



Leicester - Football tactics and formations


O esquema adotado por Ranieri foi o 4-4-2 em linha. Simples e bem “inglês”. Mas o principal diferencial da equipe estava no comportamento sem a bola. Linha alta no campo do adversário, com Okazaki e Jamie Vardy incomodando os defensores adversários e compactação defensiva. O erro adversário, forçado pela equipe de Ranieri, é muito bem aproveitado: bola enfiada em um dos atacantes buscando a profundidade, saída para o ataque com muita velocidade e definição do lance rapidamente. N’Golo Kanté adicionou muito nesse contexto. Um volante com característica de roubo de bola (segundo com mais roubos e o líder de interceptações da liga), mas que faz a transição para o ataque ser muito, muito veloz.

A característica da equipe se vê nos números: o time fica, em média, 43,9% do tempo de jogo com a bola (só fica mais com a bola que Sunderland e West Bromwich) e tem o pior índice de acerto de passe da liga (69,5% de precisão). Por outro lado, a equipe chuta 13 vezes ao gol adversário por jogo, possui o segundo melhor ataque (ao lado do Tottenham, com 44 tentos) e lidera a quantidade de ocasiões de contra-ataque na liga.

E, como dizem as boas línguas, um coletivo forte ressalta as individualidades. É assim que Jamie Vardy e Riyad Mahrez têm conquistado o público. Com atuações espetaculares e ótimos números, a dupla lidera os azuis e fazem a Inglaterra parar. Riyad Mahrez, argelino de 24 anos, tem incríveis 13 gols (quinto na lista de artilheiros) e 9 assistências (terceiro melhor no quesito) em 23 jogos. Jamie Vardy, inglês de 29 anos e que até a temporada 2011/2012 jogava na quinta divisão inglesa, tem 18 gols (artilheiro do campeonato) e 3 assistências em 24 jogos.

Se Vardy e Mahrez encantam, Danny Drinkwater, N'Golo Kanté, Marc Albrighton (de começo fulminante no Aston Villa), Shinji Okazaki e Kasper Schmeichel acrescentam mais qualidade ao onze titular. Ainda há outras boas peças (como Inler e Leonardo Ulloa) e as contratações de Demarai Gray e Daniel Amartey ressaltam a boa visão de mercado da diretoria.

A campanha de 14 vitórias e 8 empates em 24 partidas, com apenas duas derrotas, não assusta quando entendemos o Leicester. E um dado curioso é que Riyad Mahrez (Le Havre), N’Golo Kanté (Caen) e Claudio Ranieri (Monaco) estavam na Ligue 2 em 2013. Hoje são líderes da Premier League. O Leicester tem uma proposta de jogo simples, mas muito bem executada. Encanta e confronta os grandes na busca por um título histórico. Pode não conseguir, mas a campanha realizada até aqui já dá motivos de sobra para os Foxes sorrirem.

@_nicolasmuller

Deixe um comentário

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores. É necessário estar logado no facebook para comentar.

 

Bem-vindo ao Linha Alta. Site com conteúdo futebolístico.

© Linha Alta 2016

Edited by Douglas Menezes